Go on

Já falei aqui de séries de humor, mas deixem-me dizer, na minha sinceridade, que nunca consegui entender o sucesso e a piada de Friends. As personagens são demasiado burras, pelo menos duas delas, o humor não me faz sorrir e ao fim de dois minutos estou à beira do suicídio, por isso, mudo de canal…

Mas gosto de Mathew Perry, acho piada ao ator e às suas escolhas. A personagem de Matt Albie é maior do que a própria série (Studio 60 on the Sunset Strip); Mr. Sunshine, a série de humor que protagonizou o ano passado agradou-me, com um sentido de humor doentio, ao lado, mas com tempo para o lado humano. Devo ter sido dos poucos que gostou já que a série foi cancelada e os ratings miseráveis.

Agora estreia este Go On, que teve excelentes resultados nas duas primeiras semanas, em que Perry interpreta o papel de Ryan King, um apresentador de rádio que tem de lidar com a morte da esposa e que para não perder o emprego entra num grupo de terapia.

A série é cómica, o elenco interessante e as personagens excêntricas. No grupo de terapia temos uma hispânica que perdeu a família, uma mãe que perdeu a filha, um negro que não consegue lidar com a morte cerebral do irmão, entre outros.

O que já era uma realidade em Mr. Sunshine, continua a sê-lo em Go On, trata-se de uma série de humor, que brinca com os problemas e preconceitos das personagens, dando ao mesmo tempo uma imagem das limitações e dificuldades de cada um, especialmente da personagem principal. Go On, nestes dois episódios, aposta em finais que nos tentam relacionar connosco, com as coisas simples da vida. A realidade é que não há muitas séries de humor que gastem tempo com o human angle da coisa…

Uma surpresa, e espero que esta dure.

British Humour

Não sei que séries vos vêm à mente quando pensam em séries de humor britânicas; talvez em Allo Allo; Sim, Senhor (1º) Ministro; Father Ted; Coupling, Monty Python e outras tantas…

Sempre fui fã de séries de humor e o humor britânico tem aquele je ne sais quoi (!?). Recentemente, ouvi falar de duas séries policiais com humor, ou séries de humor policiais, tanto faz, depois de ver os trailers atirei-me a elas.

A Touch of Cloth, baseada numa história de Boris Starling, traz-nos John Hannah e Suranne Jones, nos papéis principais, e é  uma paródia às séries policiais britânicas e criminais (no geral). Misturem Wire in the Blood, CSI, Prime Suspect com Aonde é que para a Polícia ou Aeroplano e ficam com uma ideia.

Vexed, por seu lado, traz-nos, na 1ª Season, Lucy Punch e Toby Stephens como dois detetives com dificuldades de relacionamento. Vexed coloca-nos perante um duo de detetives, em que um deles é estranho, desbocado e tolo, as situações são realistas, uma (há mais, mas para o caso…) das personagens é que não. O humor nasce tanto dos diálogos, como da excentricidade de Jack Armstrong (Toby Stephens).

São duas séries distintas, já que A Touch of Cloth é uma paródia, o espectador não leva nada a sério, até porque esse é o objetivo. Há uma série de gags e diálogos geniais, bem como algumas circunstâncias.

Não sei se serei eu que estarei a ficar velho, mas o humor presente nestas duas séries tanto me atrai como me afasta.

Se A Touch of Cloth consegue ser mais ridícula que Vexed, é-o pelo tipo de humor, talvez por isso também falhe mais vezes, no entanto, é bem escrita e interpretada, o elenco é sólido, John Hannah é brilhante, quiçá demasiado sério num papel tão ridículo.

Vexed peca pelo elenco, a série tem piada, mas não há química entre os dois atores e Toby Stephens parece-me excessivo na interpretação, talvez por isso a série tenha voltado para uma 2ª season com novos protagonistas.

Tanto uma como a outra usam algum humor grotesco e ordinário, mais A Touch of Cloth, o que por vezes parece-me demasiado gratuito e pouco inteligente.

Concluindo, duas séries de humor que me fizeram rir, mas que não me convenceram no geral. Aparentemente, prefiro separar o humor do policial, e nestes dois géneros os ingleses (ainda) são os melhores.

Só algumas sugestões:

Séries de Humor Britânicas – Flying Circus; Allo, Allo; Father Ted, Black Books

Séries Policiais Britânicas  – Scott and Bailey, Spooks (com espiões em vez de detetives); Wire in the Blood*, Rebus* e Prime Suspect.

*altamente recomendáveis, refiro estas duas pelo aparente desconhecimento em Portugal.