Ando no carro com os Diabo na Cruz. À primeira audição fiquei desconfiado, gostei de três músicas. Algumas soavam mais pesadas do que esperava, ainda para mais depois do início com Vitorino. Obriguei-me a ouvir mais umas quantas vezes.
Gosto, ainda que ache o álbum desequilibrado. Tenho alguma dificuldade com algumas letras, que me fazem pouco sentido, mas a verdade é que o álbum tem sido companhia útil nestes últimos tempos.
Ontem, vi publicidade na tv. Mais uma acha para a tese:p

Depois de ver o segundo Sinais de Fogo, fiquei com algumas dúvidas.

Tudo o que não faz sentido a Sousa Tavares é mentira? Os crimes têm de ser lógicos? A realidade tem de ser lógica?

Sousa Tavares só ataca quem não respeita ou não admira? Gostava de ter visto aquela “acutilância”/ agressividade a semana passada.

Para quê convidar alguém para uma entrevista, se o objectivo é que a pessoa ouça a voz de Miguel Sousa Tavares? A primeira parte do programa é ridícula. Sousa Tavares cansou-se de comentar o que queriam que ele comentasse, agora comenta o que ele quer – as peças são tão fraquinhas!!!

Espero que depois dos Sinais, o programa arda por completo, por este andar, não deve demorar muito.

Blog de sons

Havia um convite geral e eu especifiquei-me para o cargo. Escrever num blog (do JP), mais um (quando é que isto implodirá? Beats Me) sobre música.
Ora, interessou-me um blog de malta que conheço (muitos deles, pelo menos) a escrever sobre o que gosta de ouvir.
Para além disto, acho extremamente difícil escrever sobre música. Escrever no sentido descritivo, pessoal e prescritivo da coisa.
Como é que defino música (vou escrever maioritariamente, acho, sobre música mais pesada)? Como descrevo algo que ouço? Como explicar as razões do meu gosto? Como apelar ao gosto dos outros? Estamos no campo da subjectividade. Em que é que conocrdamos ou discordamos? Quais as bases dessa discordância?
A ver vamos no que isto dá. Quando houver mais novidades, digo-vos.
Abraço.

Do acordar

Não me considero uma pessoa muito difícil de acordar, em última instância, como é óbvio, dependerá sempre da noite dormida.
Quando andava no Secundário, e tinha um pai demasiado zeloso que me acordava mesmo antes da hora, não era necessário que o progenitor me viesse abanar, bastava abrir a porta. Claro que podia cair a maior trovoada de sempre lá fora, haver um acidente que eu não acordava, mas abrir a porta…e ela não range!
Depois, foi o irmão tirar o curso de Cozinha. Por vezes levantava-se mais cedo que eu. E acordava a casa toda com aquele PIPIPIPIPIPIPI ensurdecedor, sem que ele acordasse.
Passei pela fase de acordar com a rádio, mas embruteço quando acordo com anúncios (Mediatis!!!).
Agora acordo com o telemóvel e escolho a música. Já acordei ao som de Seu Zé, de Mundo Cão (incrível como se acorda ao som de Morfina) e ando agora a abrir os olhos ao som de Ramones.
I dont Wanna Grow Up é a música/ladaínha que me tem feito levantar. O curioso é que muitas vezes acordo antes do primeiro acorde. Ouço o One, Two, Three de introdução e já tou de olhos abertos e sorriso nos lábios ao ouvir que não quero crescer.

Canções de Amor

Escrever sobre amor é difícil. Primariamente porque é difícil não cair no mau gosto e no sentimentalismo barato. Depois é quase impossível evitar clichés e equilibrar o humor.
Claro que não acho a Shakira virtuosa neste campo, mas confesso que gosto do cinismo das duas frases sublinhadas (hum? que querem? tenho coração pimba…), o humor negro, o requinte da construção… a rapariga viveu/disse o que canta. Acreditem.
Pena que o mau gosto se evidencie pelo feminismo, cliché e mau gosto (tudo numa frase! Não é para todos…) da última frase.
Mas ainda fica uns pontos acima das favas com chouriço… ou não?

Lembro-me do João chegar de Cabo Verde e trazer alguns álbuns de lá para ouvir.
Depois de ouvidas uma ou duas músicas deixava o álbum de parte, e não conseguia perceber o entusiasmo dele.
Agora sou eu que ando com um cd da Lura no carro que qualquer dia está riscado, e que preza imenso o Intelectual do Ildo Lobo.
O facto de ter um colega cabo verdiano que vai colocando música, vai falando sobre música, e também música cabo-verdeana e que traduz algumas das letras ajuda ao entusiasmo.

<a href="’>L