Pombo & Silva (3)

Silva nasceu no Alentejo, mas quis a (má) sorte que os pais viessem para o Laranjeiro, quando ele tinha dez anos. Se os primeiros anos foram anos de habituação, descobertas, os anos posteriores têm sido anos de fugas curtas, mas seguras, à terra que o viu nascer.
Silva reconhece que só a ausência de um trabalho fixo na terra dos pais o mantém no Seixal. Anseia todo o ano pelo mês de férias para se fechar do mundo, no monte por trás do fim do mundo. A mulher acompanha-o num misto de obrigação e gosto, a filha, essa, já não os acompanha, pelo menos, durante todo o tempo que ali passam.
Silva descobre-se a si mesmo e aos outros. Ali, numa aldeia pequena, com 4 ruas grandes, 9 tabernas, algumas baptizadas hoje como cafés. Adora acordar e ouvir os pássaros e os cães, sentir o cheiro a bosta de algumas das vacas ainda mantidas ali, que prefere ao cheiro do tubo de escape, de gasóleo ou gasolina. Passa pela rua que o leva ao centro da aldeia, vê os vizinhos tratar da bicharada, porcos, galinhas, cães, gatos, patos, cabras. Tenta tornar-se um autóctone, ajudando os familiares mais próximos a tratar da horta, couves, alfaces, tomates, limoeiros, macieiras, laranjeiras. Ir à cata de cogumelos, espargos, beldroegas. Isto é que é vida, pronuncia várias vezes, acordar às seis da manhã e ir apanhar pássaros, sem que a GNR os apanhe, fora da época. Deitar-se às seis depois de uma noite aos javalis. Silva só está no Seixal porque precisa, porque já não é possível viver só da terra. Até do bafo quente logo de manhã, antecedido por uma brisa quase gélida, gosta.
Está casado há 27 anos, tem duas filhas, uma com vinte cinco anos, a outra com quinze. A de vinte e cinco está casada, tem a sua vida e pouco a vê. Ainda não tem netos. A outra pequena vive com os pais, estuda no Cavadas e, tanto quanto ele sabe, porta-se bem. Não lhe dá muito que fazer. Gosta de sair à noite, ele deixa. De semana obriga-a a estar em casa às dez e meia, ao fim de semana à meia-noite. Conhece as amigas, os pais delas, está a modos que descansado.
Quem o conhece sabe como Silva é. Simples, de poucas palavras. Gosta do seu copito. É sincero, quer gostem de ouvir o que ele tem para dizer, quer não. Não é má pessoa, mas quando embirra com uma pessoa é, quase sempre, para a vida toda.
Naquele dia foi Silva que foi buscar Pombo. Saiu de casa, em Paio Pires, e pôs, como sempre, o carro a trabalhar, enquanto procurava uma estação de rádio que o interessasse. Puxou o cinto para o colocar, ao mesmo tempo que destrava o carro e se preparava para fazer marcha atrás.
Antes de ouvir o click do cinto, sentiu que alguém lhe batia no vidro, um agente da GNR.
“Bom dia. O senhor não sabe que deve colocar o cinto antes de colocar o carro em movimento?”
Silva não gostou da subida de entoação no antes. “Bom dia, colega. Sei…”
O outro interrompeu-o. “Colega?”
“Sou agente da PSP, no Seixal. Tem razão, amigo, mas sabe como é…”
O agente da GNR interrompeu-o outra vez. “Não sei se sei. Os documentos do carro e a carta, se faz favor.”
Silva respirou, inspirou, expirou, inspirou e expirou. Parou o carro. Saiu e estendeu ao GNR o que ele tinha pedido.
O outro inspeccionava os documentos com um sorriso estúpido, ainda por cima tinha cara de parvo. “Está tudo em ordem, mas vou ter de autuá-lo, senhor” sorriu “agente Silva. Os agentes da autoridade têm de dar o exemplo, não é?”
Silva estava vermelho. Interiormente já lhe tinha chamado inúmeros nomes, bem como aos ascendentes do GNR. Sorriu, o menos amarelamente possível. “Se o diz…quem sou eu para o desdizer.” Devem andar com falta de dinheiro, camelos dum raio, pensou surdamente.
Há poucas coisas que unam mais Silva e Pombo do que o ódio quase visceral que têm pelos GNR de Paio Pires, não tanto pela força militar em si, mas pela qualidade moral e pessoal dos agentes que conheceram ao longo dos anos. A verdade é que pelo posto da GNR passaram inúmeros oficiais, uns melhores do que outros. Actualmente, o corpo foi rejuvenescido, dizem as más línguas, com queda para as operações de trânsito.
Já na esquadra, Pombo tenta acalmar o colega. Silva está furibundo com os 60 Euros de multa, em voz mais baixa vai lançando todo o tipo de epítetos. Pombo percebe o estado de espírito do colega e pouco mais faz do que aceder com a cabeça.
“Mais Papa que o Papa, aquele filho da…”
Pombo não arrisca sorrir, sabe como o colega reage nestas situações. Tenta colocar água na fervura.
“Acalma-te, Silva, não vale a pena enervares-te tanto. Ficas a saber como é que os outros se sentem quando os multamos.”
Silva dá um murro na mesa. “Porra para ti, Pedro. Nunca me viste, nem há-des ver…”
“Hás-de” corrige Pombo.
“Deixa-te de porras, senhor professor.” Atira violentamente Silva, levando com que Pombo se decida calar. Já há algum tempo que não via o colega tão alterado. “Nunca me viste multar alguém gratuitamente. Sabes bem o que penso disso. Nem que nos atribuam quotas.”
Pedro Pombo sabe que é assim. Silva enerva-se quando ouve contar histórias aos colegas que multaram este ou aquele porque sim, porque não foram com a cara da pessoa, porque acharam que deviam, porque lhes apeteceu. Silva não gosta de uma colega, a Justiceira, por causa disso mesmo. Tem a mania que é gente porque é agente da PSP, mas ele sabe, e diz-lhe, que é mania, falta de competência, estupidez, falta de homem, ou de mulher, já lho disse na cara. Não falam desde essa altura.
Pombo convida Silva para almoçar. “Como estás 60 Euros mais pobre, pago-te eu o almoço, que dizes?”
O outro acalma-se inconscientemente e sorri, um sorriso atabalhoado, toldado ainda pela fúria.
“Obrigado, rapaz. Mas hoje a mulher não foi trabalhar, almoço com ela. Queres ir lá almoçar, já que estás tão simpático?”
Pedro recusa, amavelmente, já tinha feito planos, já sonhara com as pizzas recém descobertas. “Deixa-me na Dona Maria José, vou comer uma das pizzas caseiras dela.”
O outro olha para ele, momentaneamente perdido.
“Deixo-te onde? Ah, na Zé. Pareces o meu avô. Dona Maria José para aqui, para ali. Chama-a de Zé, pá.”
Pombo sorri, ligeiramente encavacado, mais por culpa do amigo, do que por culpa do termo ainda usado.
“Larga-me da mão. Chamo-a como eu quiser e como achar que devo chamar.”
“A mulher é bonita, não é?” Pergunta-lhe Silva, com sorriso maroto. Pombo anui, mas Silva continua. “Pena que tenha ficado viúva tão cedo, pena ou oportunidade…”
O colega não o deixa terminar, ignorando a deixa. “Viúva? Não sabia, não me tinhas dito nada. Mas ela tem anel no dedo.”
“Ah!…Já lhe olhaste para o dedo!” Pedro fica ligeiramente corado, mas Silva tem pena dele, pelo menos é o que pensa, e continua. “Não sei se por homenagem ao morto ou para evitar que tentem qualquer coisa. O homem dela morreu há 4 anos, numa noite, à pesca. Estava num barco com amigos, caiu uma borrasca, o mar encrespou-se e uma vaga levou-o. Nunca o encontraram. Uma história triste, pelo menos para os que ficam. Ao menos não tinham filhos. Mas não puxes pelo assunto. Ela não gosta, como é óbvio, de falar disso. Nunca gostou. Evita puxar o assunto ou mesmo dar indicações de que sabes alguma coisa.”
Acabaram o que estavam a fazer e partiram, rumo à refeição.

Pombo e Silva (2)

O caso do Rissol de Camarão como o apelidou Silva, com um ar saudosista, foi o momento alto da semana. O resto foi constituído pelo dia-a-dia costumeiro, rondas, pequenas ajudas, operações stop e a obrigação favorita de Pombo, a Escola Segura.
Pombo gostava de estar em frente da José Afonso, onde estudara anos antes. A escola mudara desde que ele de lá saíra, novos pavilhões, caras novas, tanto de docentes e discentes, como seria de esperar, mas também de auxiliares, o que não era menos expectável.
Pombo tinha boas memórias daquele local, à data considerada a pior escola do concelho. Ele gostou da passagem por lá, pelas Cavaquinhas, como era conhecida no concelho. Nos dois primeiros anos, a fama era merecida, a maior parte dos alunos do sexo masculino era assaltada todos os dias, a percentagem sobrante era constituída pelos meliantes. Apesar das mudanças, Pombo sentia-se em casa, talvez pelas conversas que tinha com duas ou três antigas professoras, que por ali ainda se mantinham.
Silva gostava menos daquilo, mas não se queixava muito, Pombo era competente e permitia- -lhe fumar e ir ao café de vez em quando. Para além da prevenção a que a presença da polícia levava, já que era dissuasora de diferentes hábitos e práticas, Pombo foi-se tornando conhecido, o que possibilitou vários contactos com os alunos, uns mais preventivos, outros mais pessoais. Ele lembrava-se da opinião que tinha enquanto adolescente da GNR de Paio Pires, preferia ser visto como um tipo porreiro e dar-se ao respeito do que como um agente que passava o dia no café e fingia trabalhar para fugir a algumas obrigações. Deixava isso, pensava cinicamente, mas com ternura, para Silva.
No dia em que prenderam os três falsos ciganos, era só parecença, foram até ao Café do Bairro, para falarem com a Dona Maria José, ainda não a conseguia tratar por Zé, e lhe explicar como levantar o dinheiro roubado, entretanto descoberto no porta-bagagens do Seat roubado.
Era a segunda vez que Pombo ali entrava e desta vez aproveitou para observar, não profissionalmente, mas enquanto cliente, o espaço. Em frente da porta o balcão, paredes roxas, com flores pintadas a preto, dez mesas com quatro cadeiras cada uma. Não era, nem gostaria de ser, decorador de interiores, mas aquela não era de todo a sua ideia de decoração, no entanto, a simpatia da dona e a qualidade dos bolos, segundo Silva, poderiam levá-lo ali algumas vezes. Não morava assim tão longe e o seu bairro não tinha nenhum café digno desse nome.
A Dona Maria José estava de calças de gang e t-shirt amarela, cor que caía bem na pele bronzeada. Pombo desconfiava que ela sabia disso. Sorria muito, um sorriso bonito que realçava a forma dos olhos, amendoada.
Silva tomou, mais uma vez, a dianteira. Deu os bons dias, pediu-lhe umas Pedras e disse-lhe que quando tivesse tempo eles gostariam de explicar-lhe o que acontecera e como podia reaver o que lhe fora roubado. Pombo pediu um café e uma Castelo, gostava de beber água com gás e não conseguia tirar o mesmo prazer de uma das Pedras, que achava ter muito pouco gás.
Silva bebeu a garrafa de um trago, e enquanto esperava que Zé atendesse os clientes, pediu um bolo e uma torrada.
“Já almoçaste, não? Ainda consegues comer isso tudo?” Perguntou-lhe Pombo, mais para o arreliar do que admirado com a capacidade devoradora do colega, já se habituara a isso. O outro não respondeu. A mulher despachou o novo pedido e sentou-se com eles, quando o trouxe.
Falaram durante algum tempo, explicando o sucedido e a forma como os tinham apanhado. “Se este tipo não gostasse de revistas para miúdos, se calhar estávamos na mesma cepa torta.” Disse Silva, com manteiga a descer pelo queixo.
Terminaram a conversa, Maria José não os deixou pagar nada do que tinham consumido e, com um agradecimento sincero, meteram-se no carro.
O resto da semana foi, então, banal, se exceptuarmos os pedidos de Silva, algumas vezes anuídos, a Pombo para passarem pelo café no Casal do Marco para comer(em) rissóis de camarão.

O Anibal leitor

Por momentos pensei que o título fosse uma piada a um certo Aníbal português, que aparentemente não lê muita literatura.
Afinal não, o livro é uma lição de como ler, o que ler e de como nos prepararmos para a leitura.
Um jovem acaba num navio em busca de um animal lendário, que lê livros – para sinopse acho que chega.
Gostei, acho que tem mais literatura dentro do que algumas das cadeiras que tive com o autor, na faculdade, mas é somente a minha opinião, e a posição dele aqui é ligeiramente distinta.
De qualquer modo, gostei mais (heresia?!) do posfácio, gostei do estilo, do conteúdo e dos pensamentos do escritor.

Pombo & Silva (1)

São onze da noite, o dia passou-se placidamente, sem problemas de maior. Foram chamados há cerca de dez minutos. Silva reconheceu o nome do café ou o nome da rua, das duas três, pensa Pombo.
Pára o carro em frente do café. “É este. Vamos lá.” Diz-lhe Silva.
Saem do carro. Silva tem 45 anos, pouco cabelo, gordo e bonacheirão. Pombo tem 30 anos, magro, de cabelo à espera de ser cortado, vai à frente.
Mas é Silva que toma a iniciativa.
“Zé, que se passou?” Pergunta, rapidamente, enquanto observa o interior do café.
“Zé?” Pensa Pombo, este tipo conhece mesmo todos os cafés do Seixal e arredores. Estão em Paio Pires, num dos Bairros novos, que eram quintas quando Pombo ali cresceu. Eu que sou de Paio Pires conheço menos gente que o Silva. Começa a perder-se em pensamentos, se Silva conhece muita gente ou simplesmente muitos cafés e as pessoas que os frequentam. A linha de raciocínio é rapidamente interrompida pela resposta rápida da dona do café.
“Foram dois ciganos, Silva. Chegaram, sentaram-se, pediram duas bicas e foram ficando. A casa estava cheia, em noite de bola é sempre mais ou menos assim, como sabes, ainda para mais quando é o Benfica. Assim que esvaziou, levantaram-se, apontaram-me uma arma e levaram o dinheiro.”
Silva acena que compreendeu o que ouviu e, antes de continuar, apresenta o colega à dona do café. Pombo aperta-lhe a mão, fica a saber que se chama Maria José, mas toda a gente a trata por Zé. Deve ter cerca de 30 anos, um pouco mais talvez, tem cabelo castanho, nariz aquilino, pela tostada pelo sol, é bonita.
Silva continua. “Já os tinhas visto aqui? Não. Como é que eram?”
“Eram ciganos, sei lá como eram! Magros, vestidos de preto, um de bigode, o outro de barba de três ou quatro dias. O de bigode devia ter uns quarenta anos, seco, o outro mais novo, de olhos verdes, lindíssimos.”
Pombo olha para ela, nota que tem os olhos avermelhados. Pensa que deve ter chorado, depois de assaltada, mas agora está ali, direita, voz firme, sem dar parte de fraca.
“Zé! Já tens idade para ter juízo, mulher.” Brinca Silva. Ela sorri, sem jeito, sem saber muito bem que atitude tomar.
Pombo percebe que ela deixou de estar à vontade, tenta ajudá-la e faz-lhe a pergunta seguinte. “Como é que fugiram?” Sente que o colega vira momentaneamente a cabeça na sua direcção. Sabe que Silva não gosta que o interrompam.
“Tava outro dentro de um carro, ali mais abaixo. Era claro, branco ou creme.”
“O carro?” Pergunta estupidamente, corando ligeiramente.
É Silva que responde. “Quem é que havia de ser? O Cigano?”
“Ainda há carros creme?” Quando acaba de pronunciar a frase, sente o corpo do colega retesar-se.
“Tá calado, Pombo! Zé, consegues descrever-me o carro? De que marca?”
Ela olha para Silva, sorri, agora à vontade. “Desde que tenham quatro rodas e andem, eu fico satisfeita. Não percebo nada de carros. Um Seat, para mim, é igual a um Ferrari. Mas uma das vizinhas diz que viu a matrícula.”
Pombo pensa que há coisas que não mudam em Paio Pires, desde miúdo que se lembra de vizinhas que pareciam ter como única ocupação estar à janela. Devia estar no intervalo da telenovela, pensa em voz alta. Silva ignora-o, Zé sorri.
Silva começa a perguntar pela vizinha, mas Zé guardou a matrícula numa folha de papel.
“Ela diz que foi tudo rápido, mas que tem quase a certeza da matrícula.. Deixem ver… 10 –AD…”
Pombo interrompe-a. “Porra! 20?”
Silva olha para ele, com ar espantado. Zé junta-se ao colega.“Sim, como é que adivinhou?” Silva continua a olhar para ele, mas o olhar de espanto transforma-se lentamente em compreensão. “O carro roubado ontem à noite?”
“O carro roubado ontem à noite” repetiu Pombo.
Fazem mais algumas perguntas e despedem-se de Zé, prometendo voltar no dia seguinte, para mais algumas averiguações ou para dar algumas informações.
Silva abre a janela e puxa dum cigarro. “Há aqui qualquer coisa que não bate certo”, diz Pombo. “O relatório do João não identifica os ladrões do carro como ciganos. E houve três ou quatro testemunhas.” O colega acaba de dar mais um bafo no cigarro. “De noite, todos os gatos são pardos.” Diz.
Pombo acena, mas continua. “Talvez, mas as descrições batem certo com a descrição da Zé.”
Silva olha para ele. “De olhos verdes?”
“De noite todos os olhos são pardos.” Ri-se Pombo.
Dois dias depois, Pombo apanha Silva em casa, meia hora antes de se apresentarem ao serviço. Silva mora em Paio Pires, Pombo no Cavadas. Silva entra no carro, coça a barriga. “Porque é que vens tão cedo?”
“Desculpa lá, mas hoje é dia de comprar a BD, vamos ao Rio Sul…” Responde Pombo, antecipando mentalmente a resposta. “Mas tu já não tens idade para essas porras. BD, BD. “
“Deixa-me da mão. Pago-te o café.”
O outro olha para ele, inspira fundo e acrescenta. “E o Record também. E se era para me pagares o café, mais o jornal, podias ter vindo um pouco mais cedo. Não gosto de pressas, sabes bem. Ainda para mais logo de manhã.”
Sobem o Alto dos Bonecos, passam pelo Casal do Marco, fazem a rotunda na direcção da estação dos comboios, quando Pombo guina repentinamente para a berma. Surpreso, Silva olha para ele. “Tás parvo ou quê?”
Pombo olha pelo retrovisor, faz marcha atrás, e aponta para o outro lado da estrada. “Silva! 10 –AD -20. Olha o carro ali.” O outro, espantado, olha para um beco junto aos prédios. Ao fundo encontra-se um Seat Marbella, branco. “Estacionado como mandam as regras do código. Transmite isso à esquadra, que venha cá alguém buscar o carro e fazer umas perguntas. Que estás a fazer?” O colega já abriu pisca e estaciona o carro ao lado do talho.
Pombo desliga o carro. “Já cá estamos nós. Começamos mais cedo. Das duas três. Ou foram-se embora, ou moram aqui perto. Pago-te já o café, de certeza que devem ter o desportivo. Bebemos uma bica primeiro, falamos com o dono do café e depois perguntamos nas outras lojas.”
Silva não se mostra muito convencido “Se não tiverem o Record…” Deixa a ameaça no ar, vencido pelo ar divertido, mas compenetrado do amigo. “De certeza que o carro está abandonado. Ninguém é assim tão estúpido. É certo que o carro está a modos que bem escondido….”
“ O melhor sítio para se esconderem coisas é à frente de toda a gente. Foi pura sorte, quem adivinha que a polícia passa por aqui, olhando para as ruas ao lado dos prédios? De qualquer modo, inteligência, que eu saiba, não é um requisito para se ser assaltante. Há uns mais inteligentes que outros. E o desespero torna o tipo mais parvo num assaltante audaz, estúpido, mas audaz.”
“Vá, anda lá ao café.” Silva entra no café, olhando para a montra. Ainda Pombo está a entrar pela porta e já ele pediu um rissol de camarão, um café e meia torrada.
Pombo pede um café e uma sandes de queijo com manteiga. Diz bom dia ao dono do café e a quem está ali sentado. O café é pequeno, uma velhota está a beber uma bica e a ler o CM, ele olha para uma mesa e vê que o Record está em cima da única cadeira vazia. “Posso tirar?”, pergunta, sorrindo para os homens. “Macacos me mordam.” Pensa. “Não há um pingo de inteligência neste mundo?”
Agradece o café, deixa Silva a comer o rissol e a ler o Record. Vai até à rua. Tira o telemóvel e fala durante três minutos.
Silva olha para ele. “Estás bem disposto, hoje? Que sorriso parvo é esse?” Pombo vai para responder-lhe quando um carro da PSP pára em frente do café.
Dois agentes saem, entram no café e Pombo acena-lhes.“Bom dia. Agentes Pombo e Silva, da Esquadra do Seixal.” Sente que há movimento na mesa do canto. “Bom dia, colegas.” Os outros apresentam-se. Silva olha para os colegas da Esquadra da Esquadra de Investigação Criminal da Torre da Marinha. Acaba de comer a torrada. “Experimentem os rissóis de camarão, são muito bons.” Repara que mais um carro da PSP pára em frente ao café.
Mais três colegas entram no café. Isto parece um comício da PSP, pensa.
Um dos polícias que chegou primeiro, pergunta a Pombo se ele quer ter a amabilidade. Pombo levanta-se, dirige-se à mesa onde estava o Record.
“Bons dias, meus senhores. Sou polícia, estou desfardado, mas tenho aqui os meus colegas- Podemos pedir-lhes a vossa identificação?”
Os três homens olham para ele, para os outros polícias. A contragosto, mostram-lhes os BI´s. Começam a perguntar o que se passa, o que é que fizeram, quando Pombo os interrompe. “Aquele Seat Branco é vosso?”
Um deles, mais gordo, responde que não. “A que propósito vem a ser isto, senhores agentes?” Acrescenta.
Silva olha para os três, foca a visão num deles, repara nos olhos. Verdes, lindíssimos. “Filhos da mãe. Filho da mãe.”, pensa.
A velhota, atenta a todo aquele inquérito, levanta-se e diz em voz alta. “Esse senhor está a mentir, que eu vi-os chegar no carro. Com estes olhos que a terra há-de comer, vi-os chegar no carro.”
Pombo sorri, novamente. Parece que tinha razão. “Obrigado, minha senhora. Meus caros, podemos fazer isto de três maneiras. Vão connosco até à esquadra, para uma pequena investigaçãozita, ficarmos com os vossos nomes, e afins. Ou deixam-me tirar-vos uma fotografia com o telemóvel e esperamos aqui dez minutos.”
“Disse três maneiras, qual é a terceira?” Pergunta o mais magro dos três, de olhos verdes.
“É uma variação das outras duas. Ou vão para a esquadra, tiramos-vos umas fotos e esperam um pouco ou tiro já as fotos e esperam na esquadra. Silva, ficaste com o número de telefone da Dona Maria José, não ficaste?”
Silva acena afirmativamente, tira o telemóvel e passa-o a Pombo. Este faz a chamada e pergunta à Dona do café assaltado se o telemóvel dela recebe imagens. Desliga a chamada, com o seu telemóvel tira duas fotos, aos dois homens mais magros, e envia-as.
Os homens vão ficando mais nervosos, suam, até que um deles se levanta e dirigindo-se a um dos polícias estica os braços, unidos. “Fomos nós, fomos. Acabem já com isso.”
O dos olhos verdes levanta-se rapidamente, dá-lhe um murro nos rins e é, rapidamente, agarrado por dois dos agentes. Vermelho de fúria, grita ao gordo, sentado na mesa. “Tu e mais a porra dos rissóis de camarão.”
Pombo dá uma gargalhada baixinha, o telefone começa a tocar. “Dona Maria José? Sim? Ok, já aí passamos para explicar-lhe o que pudermos.”
Vira-se para os colegas. “São eles. Foram estes dois que assaltaram ontem o café em Paio Pires, como lhes tinha dito ao telemóvel.”
O café esvazia-se momentaneamente. As pessoas que observavam do lado de fora, vão entrando, procurando saber o que se passou. O dono do café pouco sabe explicar. Silva e Pombo pagam, dirigem-se ao carro e partem.
“Já viste isto? Apanhados por um rissol de camarão?” Pergunta Pombo.
“Mas os melhores rissóis de camarão que já comi. Mas olha lá, podias ter dito qualquer coisa.”
“Não queria dar muito espectáculo, nem sabia se eram eles. Afinal não eram ciganos.
Silva interrompe-o. “E o outro não tinha bigode, foi um tiro no escuro.”
Pombo continua. “Mais ou menos. Não tinha bigode, mas tinha a barba feita, e a zona do bigode era mais branca que o resto. E não foi bem um tiro no escuro. O carro estava lá, eram três, um deles com olhos verdes. Elementar, meu caro Watson.”
Silva olha para o relógio, pega no telemóvel e liga para a esquadra. “Avisaste alguém lá da esquadra?” O outro responde que relatou sucintamente a situação. Silva fala com um dos colegas, pede-lhe para ele avisar o superior do que aconteceu, que ainda vão passar pelo café em Paio Pires.
“Já não vais comprar a BD?” Pergunta, enquanto se dirigem para Paio Pires.

Os homens que Odeiam as Mulheres – o filme

Vimos esta semana a versão cinematográfica do filme de Stieg Larsson.
A esposa gostou, eu também. Ela gostou tanto, ou tão pouco, que me fez esticar a coluna em busca do livro na estante, depois de eu lhe dizer que o livro era melhor, ainda que mais forte.
O filme não é mau, mas torna-se difícil dizer algo construído a partir de um livro que gostei tanto. Algumas personagens foram ao ar, mantiveram as centrais. As cenas mais brutais do livro mantêm a sua brutalidade no grande, e pequeno, ecrã. O livro é rápido, voraz, cru, seco e violento. O filme é mais lento, mas igualmente negro, seco, violento.
Lisbeth é mais bonita do que imaginava. Blomkvist é menos belo do que imaginara, o que o leva, supostamente, a vaguear menos por camas alheias. O que no livro é dado como dado adquirido, no filme é subjectivado.
Ainda assim, foram duas hora e meia que valeram a pena.
O filme foi uma oferta de aniversário da Sara, a edição é a edição especial, que deve a sua nomenclatura aparentemente por um único extra, um documentário de cerca de uma hora sobre a criação dos romances. Pouco, muito pouco. Infelizmente.

Policiais Nórdicos

Nos últimos meses tem sido complicado ler livros que não tenham a ver com a tese. Deruçado sobre pirataria, inovações tecnológicas, novas formas de negócio e musica 2.0, tenho tido dificuldades acrescidas para manter interesse moderado por outras literaturas.
A semana passada levei 8 ou 9 livros (claro!) e consegui ler dois deles.
Recaí novamente na ficção policial nórdica, com The Redbreast de Jo Nesbo e The Stone Cutter de Camilla Lackberg.
Comecemos por este último. Tinha lido e gostado bastante do primeiro livro da série, The Ice Princess. The Stone Cutter volta a ser protagonizado pelo polícia Patrik Hedstrom, agora com uma filha pequena, Maja, fruto do relacionamento com Erica Falck, personagem quase principal de The Ice Princess.
Alguns dos pontos fortes de The Stone Cutter é a descrição da depressão pós-parto e das mudanças que um bebé provoca num lar. Sendo sincero, a grande qualidade de Lackberg neste livro é a descrição psicológica das personagens.
A história resume-se brevemente. Uma criança é encontrada morta, afogada, mas o suposto acidente cedo se revela um crime. A miúda tem água doce nos pulmões, bem como resquícios de cinzas. Hedstrom toma o caso em mãos, aliviado por poder passar algum tempo fora de casa, mas vai-se tornando pessoal, já que a criança é filha de uma amiga de Erica.
O livro aborda um sem número de questões de uma forma extremamente interessante, Síndrome de Asperger, pedofilia, pornografia infantil (estes últimos são abordados, mas não têm papel relevante no caso da menina morta), rivalidades entre vizinhos, patologias várias e conflitos familiares.
Uma pequena cidade, ou um dos bairros, pelo menos, é extremamente bem descrita.
Há uma história parelela que começa em 1923 e que, obviamente, terá efeitos no deslindar do caso.
O livro está muito bem escrito, envolve e mexe com o leitor, as descrições dos pequenos feudos, a psicologia dos diferentes intervenientes incomodam-no e mostram uma rara variedade de disposições mentais na literatura actual. Estamos perante pessoas distintas, que reagem de diferentes formas às mesmas situações.
Infelizmente, não gostei muito do final. Senti-me ligeiramente decepcionado, quiçá pelo negríssimo quadro pintado por Lackberg. Inevitável é a comparação com o outrolivro lido, que me agradou mais.
Outra das razões terá a ver com a história paralela, The Redbreast, de Nesbo, também faz uso da mesma técnica, e interessantemente, ou não, há outras semelhanças entre as duas narrativas, nenhuma ao nível da história.
Em The Redbreast, acompanhamos Harry Hole, polícia de Oslo, com problemas de alcoolismo. O livro tem um sentido de humor negro, fino e cáustico. O livro começa com Harry Hole a ser promovido depois de ter morto alguém erroneamente. A promoção leva-o a monitorizar actividades neo-nazis.
Hole é uma personagem mais negra de Wallander, mais predisposto para cair no vazio, no álcool, sem que se veja, muitas das vezes, luz ao fundo do túnel.
Como dizia atrás, há outra história paralela, que é a de um grupo de soldados noruegueses durante a 2ª Guerra Mundial, lutando lado a lado com a forças alemãs.
The Redbreast trata do passado e presente da Noruega no que à 2ª Guerra Mundial e ao nazismo diz respeito.
Através da sua investigação, Hole depara-se com a compra por parte de um grupo de Neo-nazis de uma arma, uma espingarda  Märklin, que deixa um buraco enorme no corpo atingido. Hole vai tentar descobrir quem comprou a arma e com que intuitos.
NEsbo é um excelente escritor e consegue ao longo das 500 páginas agarrar o leitor, o humor ajuda. A moralidade ambígua é uma das temáticas, directa e indirectamente, tratadas no romance.
As personagens são suficientemente tridimensionais para serem credíveis e como numa boa série de televisão, Nesbo não amarra todas as pontas no final do livro, no futuro haverá consequências para alguns dos actos descritos.
Há vários pontos de contacto com outros escritores e universos escandinavos, lembrei-me de Lackberg (os estilos e a forma são completamente distintos), de Mankell (Nesbo consegue ser mais cruel, negro e cínico), de Stieg Larson (no relacionamento de alguns homens com as mulheres).
O final também me desiludiu um pouco, mas enquanto conjunto é mais interessante e menos murro no estomago que o romance de Lackberg, ainda que haja muitos pontos de contacto entre os criminosos de ambos os livros, e ambos vêm de trás, da história que nos é contada em paralelo.
Resumindo, o livro que se segue na série de Nesbo já está a caminho, Lackberg fica para mais tarde.

Como bónus, carreguem aqui para ouvir o autor a falar sobre o livro.