Callema nº2

A Callema já tem um segundo número, posso vender directamente ou podem fazer a encomenda no site da Cooperativa Literária, aqui.
Participo com um texto sem título, mas com pós-título, pancadas, sobre obsessão e sonhos. Para aqueles que acharam as Breves Narrativas negras, ou sado-masoquistas, este prova que aquelas não eram nada disso. Nadinha, mesmo!
Na capa Nuno Júdice, que é entrevistado e do qual se publicam 3 poemas, o primeiro é lindíssimo. Depois, as mesmas secções do número 1, mais uma nova de fotografia.
Aconselha-se, mesmo tendo um texto “aqui do je”.
Dizia ontem ao paginador e gráfico da revista que acho hoje, ontem, o número um feíssimo, comparando, claro, com este nº2. As bandanas assentam como uma luva e a revista é, por si só, já uma obra de arte, e um regalo para os olhos. Parabéns, sr. Ilídio.
Anúncios

Pela boca morre o peixe

Quem me conhece sabe que gosto de política, embora cada vez menos de políticos.
Mas, como admirar o palco sem conhecer/gostar dos actores?
João Pombeiro reúne em Pela Boca Morre o Peixe as frases mais hilariantes, estapafúrdias e non sense da política portuguesa. Faltará lá a de Francisco Louçã a Paulo Portas, sobre o facto deste último nunca ter sido pai, mas a recolha é extensa o quanto baste.
Um livro para quem gosta de política e de lapsus linguae. Um livro actual. E acima de tudo divertidíssimo.
Depois coloco aqui algumas das frases…

Dar-vos música

Será fraqueza? Mau ou bom gosto?
Esta foi uma das bandas que já tive o prazer de ouvir ao vivo, e se a música na altura me pareceu engraçada, mas nada de outro mundo, gostei bastante da atitude da banda ao vivo!
Fizeram-nos dançar e mexer, mais do que algumas bandas e cantores com mais sucesso e pedigree.
Enfim…Tonight!

A Bíblia oferece a cada pessoa e a cada era somente tais respostas às suas perguntas que elas merecem. Sempre acharemos nela tanto quanto buscamos, e nada mais: o conteúdo sublime e divino, se é que buscamos semelhante conteúdo sublime e divino; o conteúdo transitório e histórico se buscamos conteúdo transitório e histórico. A pergunta: “O que está dentro da Bíblia?” tem um hábito mortificante de se converter na pergunta oposta: “Pois bem, o que você está procurando, e quem é você que ousou procurar?” … Quem está procurando História ou estórias vai preferir, depois de pouco tempo, fechar a Bíblia e abrir seu jornal ou algum outro livro… Não são os pensamentos humanos certos sobre Deus que formam o conteúdo da Bíblia, mas sim, os pensamentos divinos certos a respeito dos homens. A Bíblia não nos diz como devemos conversar com Deus, mas sim, o que ele diz a nós.
Karl Barth – Church Dogmatics (do brasileiro, claro!)
É a erudição ou a piedade o alvo do leitor bíblico? É dirigida à glorificação de si mesmo ou à glória de Deus que possibilitou tudo isso?
James Houston, comentando a passagem acima.

Marketing?

Compro ´religiosamente´, ao Sábado de manhã, o Sol e o Expresso.
Confesso que as principais razões porque compro o Sol são duas rubricas. A crónica de Paulo Portas, especialmente quando é sobre cinema (ou teatro, já agora) e a Cinco Sentidos de Carla Hilário Quevedo.
Agora, ainda que a Tabu não seja uma má revista, transtorna-me andar, quase todas as semanas, à procura desta última – tanto está no início, como no fim, e penso que já por uma ou duas vezes no meio.
Não era preciso, na maior parte das vezes, mas isto obriga-me mesmo a folhear toda a revista!