Não sei o suficiente para comentar a deportação de emigrantes portugueses clandestinos/ilegais no Canadá. Não me parece correcto fazer juízos de valor acerca deles.
Mas, em tudo isto há uma coisa que me irrita a prepotência do Governo Português e a resposta de Jorge Sampaio, quando questionado sobre esta questão, ontem num jantar.
A resposta de Sampaio rondou sobre uma pressuposta (o ex-presidente não sabia, mas punha como hipótese) defesa a italianos e espanhóis por parte do Governo Canadiano e a “caça” aos portugueses, Sampaio ainda dizia que nós tambia podíamos fazer o que o Governo Canadiano fazia, mas optávamos por não o fazer.
O que é a lei? Em termos de Imigração somos desleixados, gostamos de nos enganar. Exigimos que eles cumpram, mas não os deixamos cumprir. O caso do imigrante em Portugal é ligeiramente diferente do imigrante no Canadá. Lá existem mais condições para eles, cá são comidos e enganados pelos patrões, que os empregam debaixo da mesa, que não lhes pagam, que não os legalizam porque lhes ficaria mais caro. Mas mesmo assim, segundo Sampaio somos melhores do que os Canadianos.
As leis são para cumprir, doa a quem doer! O problema é que quem partiu para o Canadá partiu porque cá não conseguia viver, agora possivelmente nem sobreviver conseguirá.
O português está habituado ao laxismo do seu estado, da sua justiça e quando um Estado faz o que deve fazer parece-nos estranho, ou como dava a entender Sampaio, as leis não são para cumprir, mas para preencher papel.
Já a ida do MNE ao Canadá parece-me duma irrealidade enorme, o que poderíamos esperar da sua visita? Resultados concretos? Alguma luz ao fim do mundo? Ou mais uma viagem à custa do erário público?

Parabéns ao sr. Koeman

E desta vez não estou a gozar, estou a falar bem a sério.
Moretto já provou que sabe defender com as mãos, o que atrapalha por vezes são os pés. Ora, a equipa técnica de Koeman tomou a medida mais correcta – uma hora de treino com os pés.
Não se melhora dum dia para o outro, mas treinando no que se tem mais dificuldades vai-se melhorando pouco a pouco. Moretto é uma aposta de Koeman, e como tudo na vida não é perfeito, mas vai tanto Koeman como o próprio guarda-redes vão tentar melhorar o que necessita de ser melhorado.
Adriaanse quando Baía falhou tirou-o, como castigo, por falta de confiança, por medo, por ter Hélton, enfim…pick one.
Ricardo quando falhou continuou a falhar e a refilar, e a ser vítima de si mesmo nos jornais.
Moretto mostra que se pode ser inteligente e pragmático. Treina-se no que se é mais fraco, se Ricardo tivesse treinado com mais afinco as saídas hoje seria melhor guarda-redes do que é.
Resumindo, parabéns Mr. Koeman.

Já imaginaram como seriam Os Simpsons em imagem real?
Uma das piadas dos Simpsons é a alteração do genérica (pelo menos da parte final) de semana para semana, daí que os ingleses (brits!!!) tenham decidido fazer isto

Ele não se faz, mas os comentadores tentam…

Só para criticar a dupla de energúmenos que a TVI tem a comentar os jogos.
Ontem, no FCP o Pepe já era o melhor jogador em campo a partir dos 30 segundos.
Foi lamber as botas até mais não, se o conseguirem vender para o estrangeiro eu até agradeço, mas de outro modo comprem uns óculos.
PS. O rapaz fez um bom jogo, mas foi o 2º jogo desta época sem mácula. tendo em conta que vamos na 28 jornada. Os tremeliques contra o Marítimo e contra o SCP, ambos para a Taça ninguém comenta.

Não digam que o poster não cativa?
Para quem nunca leu a BD, ou não ouviu falar do Venom possivelmente não, mas para quem curtiu a ideia (que depois foi esfrangalhada) inicial por trás do fato simbiótico e acha que a partir do primeiro filme Raimi veio sempre a subir, a espera pode causar estragos cardíacos.


Greg Rucka, um dos meus autores favoritos, favoritos na Bd, mas também fora dela (Keeper, Finder, Critical Space e A Gentleman´s Game) decidiu acabar com Gotham Central.
Gotham Central foi e é uma das minhas séries de BD favoritas. Começou por ser uma simples série policial, situata na cidade de Gotham, a mesma de Batman. Dizia uma das primeiras publicidades à série que havia crimes que eram resolvidos sem a participação ou ajuda do Homem Morcego. E foi assim que a série começou.
Uma das séries mais fortes, interessantes e viciantes da Dc. Nunca terá vendido muito, mas a DC nunca acabou com ela por causa disso. A qualidade mantinha a tiragem mensal.
Depois Brubaker, um dos co-autores e Michael Lark, o desenhador, saíram para a Marvel.
Rucka disse que via a série como uma obra conjunta e que sem os colegas não fazia sentido continuar.
E há cerca de dois meses a GCPG viu o fim, com alguns bangs…
Uma das personagens principais morreu, melhor, foi morto e a sua colega deixou a polícia.
Este ano vamos vê-la em 52, ao seu colega vamos seguir as suas aventuras no pós-morte, vestindo, embora não muito convictamente, a pele do Espírito da Vingança, The Spectre.
Á série acabou, a vida das suas personagens nem por isso, mesmo as que morreram. Vamos a ver o que o futuro encerra.

O seu cartão passou de validade.
foram as palavras da senhora da biblioteca.
Acredito.
foram as minhas.
Há cerca de dois anos que não vinha cá, e até vinha com bastante regularidade.
Pois, eu sei.
5 novidades (nem todos), 5 livros que queria ler (queria e ainda quero) e o melhor de tudo, 5 livros de graça.
O Invasor de Marçal Aquino
Nem tudo começa com um beijo de Jorge Araújo e Pedro Sousa Pereira
Precioso de Abel Neves
Mentira de Enrique de Hériz
A dança das Areias de Bruce Kirby

Vou escrever um livro.
O que não é verdade, é uma incorrecção, uma aldrabice. Mas começo a pensar se escrever um livro não daria menos trabalho!
A primeira frase do texto é uma falácia, uma inverdade, um exagero.
Vou participar na compilação de um livro sobre comboios. Sobre os comboios na literatura, e também imaginário cultural português.
Comboios…
Giro, não é? Depois de três horas na biblioteca, no único Sábado seco em três semanas e chegando a casa com não muita informação…não sei se ainda acho que é giro…!
Olhem…se se lembrarem de textos (ficcionais ou não, romances, crónicas, poesias, etcs.) portugueses que mencionem o comboio, bem, mencionar só não chega, que falem do comboio, em que o comboio seja a personagem, o espaço, o tema, lembrem-se de mim…
Pode ser?
Beijinhos e abraços
Pouca terra, pouca terra, uh uh…

Belle & Sebastian – sem a música não é bem a mesma coisa

Get Me Away From Here I’m Dying Lyrics
Ooh! Get me away from here I’m dying
Play me a song to set me free
Nobody writes them like they used to
So it may as well be me
Here on my own now after hours
Here on my own now on a bus
Think of it this way
You could either be successful or be us
With our winning smiles, and us
With our catchy tunes and words
Now we’re photogenic
You know, we don’t stand a chance
Oh, I’ll settle down with some old story
About a boy who’s just like me
Thought there was love in everything and everyone
You’re so naive!
They always reach a sorry ending
They always get it in the end
Still it was worth it as
I turned the pages solemnly, and then
With a winning smile, the poor boy
With naivety succeeds
At the final moment, I cried
I always cry at endings
Oh, that wasn’t what I meant to say at all
From where I’m sitting, rain
Falling against the lonely tenement
Has set my mind to wander
Into the windows of my lovers
They never know unless I write
“This is no declaration,
I just thought I’d let you know goodbye”
Said the hero in the story
“It is mightier than swords
I could kill you sure
But I could only make you cry with these words”

Para quem acha que o Pepe é, está-se a fazer ou será um grande central aqui fica um conselho:
Revejam a primeira parte deste jogo. Revejam…Aquele penálti é fruto da burrice e falta de classe. Ponto final parágrafo.

Ou então, volto no final para agradecer ao Pepe o facto de ficarmos pelo caminho…vale uma aposta?