uh?

Crianças, menores mataram um sem abrigo.
Não sei o que é que me irrita mais, o estado da educação (e isto faz parte) em Portugal, o desplante com que se fazem filhos sem o mínimo pudor (quando falo em pudor falo de capacidade para os educar, para os educar e para os educar – e a palavra é demasiado ampla para que a deixemos de parte, ainda para mais depois de repetida 3, 3!, vezes). Irritam-me o spais que passeiam com as crianças e à minima pergunta, ao mínimo resquício de infatilidade desatam a gritar, a barafustar, a bater…
Enfom, crianças, ainda menores, mataram um sem abrigo. Com resquícios de maldade? Com prazer? Em que mundo estamos? Tudo é relativizado, tudo é fruto da nossa cultura de trampa que não consegue ser absoluta em nada. Crianças, putos mataram uma pessoa e nós preocupados com outras coisas. Alguém morreu!!!
Alguém morreu…e o castigo não será castigo porque os perpretadores são menores. Que lógica!
Uma pessoa morreu! Foram crianças, adolescentes. E o crime não será punido convincentemente porque não são adultos. Há crimes com limite de idade! Adoro os nossos absolutos.
Sem absoluto caímos neta relatividade surda, cega e ordinária!

A semana terminou e eu nem tive tempo para respirar fundo.
Entre reuniões de preparação, de discussão, de enunciação programática para o semestre, entre a loja e a 4ª série de 24, entre duas reuniões de oração…
o tempo deu cabo de mim e venceu-me…
esta semana o blog foi vencido pela ausência, ou quase…
Daqui a duas semanas começam as aulas, entretanto há reuniões, e trabalhos, e preparações e…

24 – the 5th day

Acabei de ver a 4ª Série de 24.
Estava a pensar em escrever que tinha gostado bastante, mas é redundante escrever algo assim. A verdade é que gosto de todas as 4 séries, umas por isto, outras por aquilo. Gosto bastante da 1ª série, ainda que a filha de Jack Bauer, Kim, me irrite bastante; o final é um dos meus favoritos.
A 2ª também está muito bem construída, mas a Kim ainda me irrita bastante e a verdade é que já confundo a 2ª com a 3ª, embora tenha a certeza que gosto mais da 3ª do que da 2ª. Mas a 4ª(!!!) embora tenha uma personagem extremamente irritadora (Presidente Logan – a já vi o primeiro ep. da 5ª e a juntar ao Presidente está a esposa deste – duas personagens que me irritam) está bastante interessante, no meio de todos os clichés e diabruras do costume.

Mas como já disse, já vi o 1º episódio da 5ª série. Pois…Há mais mortes, muitas mortes do elenco (que no 24 nunca é intocável) principal, e por agora a série promete bastante. Jack que tinha morrido na série anterior (espero não estar a revelar nenhum axioma intocável) volta à vida para defendê-la, mas mais poderá estar em jogo, como sempre acontece.
Boa notícia é que por enquanto não há Kim à vista!

Lista (1)

Um dos meus autores favoritos portugueses lançou um novo livro.
Salvo erro chama-se Precioso, e é editado pela Dom Quixote.
Falo-vos de Abel Neves, autor de, entre outros, dois romances chamados Asas Para que Vos Quero e Corações Piegas que aconselho.

Confesso que não me tenho preocupado em demasia com esta questão das aves. Sei que existe uma possível pandemia, existe o risco duma hecatombe, mas alarmar a população, desinformar e inventar nunca são as melhores opções.
A cobertura por parte da Comunicação Social tem sido um desastre, com raras e louváveis excepções. A acção governamental tem sido até agora inexistente no que diz respeito à informação aos cidadãos.
Enfim, resta-me dizer ao Sr. Ministro que tenho um piriquito e um canário e que um deles costuma estar lá fora, pendurado junto à janela. Qual o quoficiente de risco? Terei que o ouvir espirrar?
Fora de brincadeira, acredito que muitas das nossas doenças contemporâneas sejam doenças de laboratório.
Esta gripe das aves soa-me a efeito, efeito da falta de higiene em vários países, efeito da miséria humana em que homens e animais vivem juntos, sem as mínimas condições. Esta doença é efeito do excesso de medidas e controlo europeus dentro dos seus próprios estados, e da ausência (muitas vezes forçada) dentro de outros e vários estados mundiais.
Vamos a ver o que o futuro nos reserva!

RIP

Descobri hoje no Expresso que Peter Benchley morreu esta semana.
Peter Benchley tinha 65 anos, e escreveu o livro que deu origem ao filme Tuabrão. Já em 2000 escrevera uma reportagem para a NAtional Geographic sobre o grande Tubarão Branco em que desmistificava muitos dos mitos que lhe trouxeram sucesso na ficção.

Ando a ver a 4ª série de 24.
Pedi a caixa emprestada a um amigo e comecei a ver. Já tinha visto as anteriores, lembro-me que delirei com a 1ª. gostei bastante da 2ª e achei que a 3ª é a mais forte, ainda que sejam todas iguais, e seja isso que chateie a determinado momento.
Deixem-me explicar este iguais.
Como todas as séries, telenovelas 24 obedece a um modelo. Todos os episódios seguem uma certa cadência acabando num cliffhanger, ou twist ainda que não seja incomum ver algum destes a meio do episódio. Mas se isto acontece com os episódios, podemos dizer que também acontece com a série em si. Tenho visto, e relembrado, que cada conjunto de 4 episódios acaba por ser uma mini-narrativa e daí passamos à frente. Dado que vou no 12º episódio já vi 3 mini-narrativas, cada uma delas com os seus némesis, heróis e dificuldades. Em cada uma delas as personagens vão crescendo e sendo protagonistas, ou sendo mortas ou desaparecendo da trama.
No entanto, não é deste iguais que eu estou a falar. Em última análise todas as séries seguem um modelo (cf. House, ER, X-Files, etc), o que me tem irritado um pouco é que em 24 os artifícios são sempre os mesmos. Quantos empregados governamentais são terroristas ou traidores do seu próprio país? Por época uns 4 ou 5!!! Há sempre uma pessoa perto de Bauer, muitas vezes até um amigo, que o trai! E é esta semelhança nos argumentos que acaba por chatear um bocadinho. Já os podemos apontar no início da série.
Enfim…tirando este pequeno apontamento 24 é mesmo uma das séries do Séc. XXI. E esta 4ª série tem sido bastante agitada, como não podia deixar de ser. Sequestros, atentados, traições, usinas nucleares em ponto de caramelo, enfim you name it.

Vale a pena ver…em DVD.